Dicas Tailândia

Bom se fosse! A verdade é que a viagem do Brasil até a Tailândia é longa e cansativa – afinal, não é fácil viajar pro futuro, já que o país segue o calendário budista e está no ano 2560 –, mas vale e muito a pena. Por um lado a Tailândia é tudo o que se imagina (e mais!): colorida, sensorial, exótica, caótica; por outro não é o oba oba que muitos pensam, então melhor se informar antes de sair fazendo feio por lá. Mas ei, nós queremos te ajudar a fazer bonito, a fazer lindo! Por isso trazemos esse post que reúne as impressões, dicas e itinerário desse “jovem” casal que teve o privilégio de passar 20 dias na chamada Terra Livre.

Quando ir?

Dizem que o melhor período é entre Novembro e Fevereiro, por não ser a época de chuvas e estar calor o bastante, sem beirar o insuportável. Nós fomos exatamente no final de Novembro e ficamos até quase o final de Dezembro, e o tempo estava ó, excelente. A única exceção foi na ilha de Koh Tao, que fica na costa leste e tem um diferente regime de monções – em outras palavras, saibam que chove pra kct de Setembro a Dezembro pros lados de Koh Tao.

Fazendo as malas

Outro ponto importante é a bagagem: leve pouca e o mais leve possível. São vários lugares a visitar, ilhas distantes entre si, diferentes meios de transporte (avião, ferry, ônibus), e vai ser um puta transtorno carregar malas pesadas nesse vaivém maluco. Sem contar que os voos domésticos são bem restritivos com bagagem (sempre consulte no site da companhia aérea pra não se desesperar no aeroporto), e lavar roupa na Tailândia é fácil e barato.

 

Tailândia snorkel

Mas baht! (e quanto levar)

A moeda tailandesa é o baht, que é meio difícil (se não impossível) de conseguir no Brasil. O jeito é levar dólares pra trocar lá. Pode trocar um pouco no aeroporto quando chegar, mas não se preocupe em trocar tudo, pois nas ilhas também consegue tranquilamente e a variação nem vem com uma faca. Casa de câmbio não vai faltar, só fique de olho na melhor taxa (dica amiga: a taxa de conversão é melhor para notas de 50 e 100 dólares). Também é sempre bom levar uns dois cartões de crédito/débito habilitados pra pagamento e saque no exterior (lembrando que tem taxa e IOF), para eventualidades.

Sobre quanto levar, da nossa experiência de 20 dias na Tailândia, diria para um viajante moderado que uns US$ 1.000 (por pessoa) são mais que suficientes.

“Budha is not for decoration”

Respeito é bom e os tailandeses também gostam. Aliás, já devem ter recebido tanto turista sem noção que espalharam um monte de placas avisando que é errado (por lei, inclusive) tatuar ou comprar souvenires de Buda (embora eles sejam, sim, vendidos nos mercadinhos de rua).

 

tailândia buda
Não compre, fotografe!

E sabia que a Tailândia é uma monarquia constitucional? Pois é, tem família real e todas as pompas. Mas mesmo que não soubesse por nós, assim que pisasse lá você perceberia, pois a imagem do rei está no dinheiro e em tudo que é canto. Se fosse no Brasil, provável que alguns desses altares (pra não dizer todos) seriam vandalizados, mas não lá. O rei é uma autoridade adorada e qualquer forma de desrespeito pode se tornar um problemão; melhor ficar pianinho.

Sobe na motoca

As motos são uma alternativa barata (cerca de R$ 20 a diária) e muito prática pra se locomover em alguns locais, como Chiang Mai, Phuket e Koh Tao. Não precisa ter habilitação de moto, elas são fáceis de usar (só acelerar e frear), abastecer é barato (uns R$ 3/litro) e engraçado (são barraquinhas vendendo gasolina em garrafas plásticas na beira da estrada) e você pode ficar com ela pelo tempo que estiver na cidade, só precisa deixar seu passaporte, que é devolvido na entrega. Mas exija capacete! Eles nem sempre oferecem (não cobra adicional nem nada), e a polícia pode pegar no pé de turistas por isso. O trânsito vai parecer meio complexo de começo, mas não chega a ser perigoso. E olha que eles forçam a barra, com 3 pessoas na mesma moto – todas sem capacete, claro –, crianças dirigindo, carrocerias improvisadas… é uma loucura, mas uma loucura organizada.

 

tailândia aluguel moto

Deu a louca no patrão

Na Tailândia é tudo (ou quase tudo – vide próximo tópico) muuito barato. Dá pra comer bem por R$ 10, comprar roupinhas étnicas por R$ 15, fazer massagem de 1h por R$ 30, fazer passeios incríveis e trajetos longos por R$ 50, pegar hospedagens de alto padrão por R$ 150, e esses são meros arredondamentos. Aliás, uma técnica simples para converter o baht pro real é cortar o último dígito – ex. 10 baht = 1 real, 100 baht = 10 reais, 1000 baht = 100 reais. Entendeu? Same same, but different (expressão bem usada por lá).

E, sempre que possível, barganhe! Especialmente se estiver em um grupo maior de pessoas. Apesar de estarem acostumados com o turismo, o inglês dos tailandeses não é rebuscado, então evite frases elaboradas e vá direto ao ponto. E fale “phaeng phaeng” (pronuncia-se pein pein) quando achar algo muito caro.

Bons drinks

São 10 horas da manhã, mas e daí? Você está de férias, por que não uma cervejinha, certo? Errado. Na Tailândia tem horário pra vender bebida alcoólica, que pode variar, mas geralmente é das 11h às 14h e das 17h às 00h, isso nos 7-Eleven e afins; nos bares o horário vai um pouco além, mas não se empolgue, a vida noturna lá acaba cedo (mais tardar 4h, com algumas exceções, como a Full Moon Party).

As cervejas tailandesas são boas, mas não baratas (nos mercadinhos sai em média R$ 5 a lata). Outro problema é que elas nunca estão geladas, não pros padrões brasileiros pelo menos. Por isso já é costume pedir copo com gelo, o que significa cerveja aguada 🙁 mas também zero ressaca 🙂

Na verdade, apesar da fama de festa e ‘loucuragi’, beber e fumar na Tailândia é caro e desencorajado de forma geral. Mas turistas bêbados gastam mais, né? E turistas pobres também querem beber. Assim nasce o esplendoroso bucket, que nada mais é que bebida destilada + mistura servidas num desses baldinhos de criança, pela bagatela de mais ou menos R$ 30. Pelo tamanho e preço, vale a pena. Só prefira as opções que mostram a garrafa da bebida lacrada (ou prepare-se pra vodka surpresa da Tailândia), e prove o SangSom, que por ser um rum tailandês é improvável ser falsificado. Toma-se o SangSom com Coca-Cola – sim, pra ser um Cuba Libre só falta o limão, que por sinal não é tão fácil de encontrar na Tailândia.

 

Tailândia bucket

“Sexy show”

A Tailândia é famosa pelo polêmico Ping Pong Show, uma atração para adultos em que a stripper brinca com bolas de ping pong de uma maneira nada tradicional (e com mais um monte de outros objetos e alimentos em diversas técnicas). Oficialmente esses shows são proibidos, mas os vendedores chatos e motoristas de tuk-tuk vão te oferecer a “experiência” a torto e a direito (“sir, madam, ping pong show, sexy show, pussy show…”). E essa brincadeira não sai barato; as tabelas que eles literalmente colocam na sua cara (depois de simular asquerosamente no seu ouvido com a boca o barulho de uma bola de ping pong) começam com preços em torno de R$ 250/pessoa.

Bom, acho que está bem claro que não fomos, né? Do que ouvimos falar, as mulheres são feias (basicamente as que não conseguem mais fazer programa) e a situação toda é pra lá de desconfortável, além de perigosa, já que você tem que acompanhar o cara até o local, geralmente algum inferninho, e aí que moram os golpes. Quem quiser matar a curiosidade mesmo assim, o recomendável é comprar o ticket nas lojas de turismo ou com o próprio hotel.

Se você, como nós, não se sentir impelido a torrar sua grana e apetite nesse espetáculo bizarro, uma alternativa surpreendentemente divertida são os cabarés dos ladyboys. Eles elas são lindas (deixam muito homem confuso, hehe), talentosas e engraçadas. Não vamos contar muitos detalhes pra não estragar a magia do show. Então deixe o preconceito de lado e vá sem medo! Nós fomos no de Chiang Mai e foi sensacional!

Comer comer, comer comer, é o melhor para poder crescer (pros lados)

A comida tailandesa é divina! E também bastante apimentada. Mesmo nós que somos apaixonados por pimenta temos que admitir que não somos páreo para a tolerância deles. Por isso, mesmo que você goste de pimenta, vá com moderação. Peça com pouca pimenta (diga “pet nit noi”) ou sem pimenta (“mai pet”), que, aliás, não vai vir 100% sem pimenta, porque eles usam os mesmos utensílios e a pimenta da refeição anterior vem de brinde na sua – e eles riem da sua cara quando você se engasga pela picância. Ah, não vá ficar de nojinho e deixar de experimentar as comidinhas de rua, hein! Elas são baratas e tão boas quanto, se não mais que, as dos restaurantes.

O único dia que passamos mal foi quando inventamos de comer carne bovina num mexicano, porque a carne bovina lá é esquisitinha e na culinária tailandesa predominam mesmo porco, frango e frutos do mar (esses costumam ser mais caros). E sabe os insetos que a gente acha que eles comem? Na verdade percebemos ser uma coisa bem pra turista. Na Khao San Road, em Bangkok, você vai ver muitos deles, grilo, barata, larva, escorpião… umas coisinhas feias e meio envernizadas, que custam caro pelo que são (não tire foto, ou vai ter que pagar) e todo mundo que provou diz que não têm gosto de nada.

Agora vamos aos nossos pratos favoritos da viagem:

papaya salad (saladinha perfeita feita com mamão – mas parece tudo menos mamão);

pad thai (o típico macarrão tailandês, tem opção vegetariana, com frango, porco ou camarão);

pork leg (carne maravilhosa da perninha do porco servida com arroz; de lamber os beiços);

fried rice (arroz frito parece algo tão sem graça, né, mas a versão deles é uma delícia, sério; pode ser servido dentro do abacaxi ou vir com pedaços dele, castanha e porco, ou frango… cada local tem sua variação e dá pra montar também, só não peça muitas substituições que eles ficam confusos);

noodles (tem sopinha de noodles tipo ramen, tem noodles fritos com legumes e frango/porco… é o miojo next level);

tom kha gai (sopa de leite de coco com frango e especiarias; linda, aromática, melhor sopa da vida).

 

Tailândia comida
tom kha gai, fried noodles e papaya salad.

E não poderiam faltar as sobremesas:

roti (também conhecida como thai pancake, é uma panqueca que lembra um strudel fininho e molhadinho; a gente comia a de banana com leite condensado, mas dá pra adicionar outras frutas, geléia, nutella, etc);

sticky mango rice (basicamente manga com arroz doce, bem típico da Tailândia, não é pra qualquer paladar, mas nós curtimos).

Outras curiosidades e dicas

O orange juice, muito vendido por lá, não é feito de laranja e sim de tangerina.

Sempre que viajamos temos essa dúvida, então acho melhor avisar: na Tailândia não pode tomar água da torneira, compre água mineral (e guarde a garrafa, pois em alguns lugares encontra máquinas pra repor a água por centavos de baht).

Atenção a vestimenta para os templos: mulher tem que cobrir os ombros e joelhos.

Use e abuse do filtro solar e repelente e não fique um carnaval de cores e picadas igual certos turistas.

Enfim, nosso itinerário na Tailândia!

Esse foi o roteiro que demandou menos da gente, porque tivemos a satisfação de viajar com nossos grandes amigos Nat e Rob, que além de serem nômades digitais e terem o blog de viagem mais legal desse mundo, o Love and Road, estavam justamente morando na Tailândia, então conheciam o melhor do melhor e nos acompanharam e guiaram por uma viagem inesquecível.

Para servir de base, compartilhamos abaixo nosso itinerário e uma ou outra sugestão de hospedagem e atividades. E se você quiser se aprofundar, lá no Love & Road tem vááários posts sobre a Tailândia. Só vai faltar comprar as passagens e se jogar pras águas mais gostosas que já mergulhamos.

 

Tailândia Love and Road

 

Bangkok – 2 noites – hotel PlayHaus Thonglor

– Compre internet pro seu celular no aeroporto (pegamos da AIS) e dale Google Maps.

– No fim de semana vá ao Chatuchak Weekend Market (uma mega área tipo camelódromo em que você vai encontrar de TUDO; atenção pra não se perder nos corredores, que começam a parecer todos iguais depois de um tempo).

 

Voo doméstico AirAsia

 

Chiang Mai – 2 noites

– Alugue moto pra passear pela cidade e visitar os templos (o Wat Phra That Doi Suthep é imperdível!).

 

Voo doméstico AirAsia

 

Phuket – 2 noites – hotel Tree Hug Home

– Alugue moto pra passear pela ilha.

– Vá na nossa praia preferida, a Surin Beach, depois almoce nas barraquinhas das tias ali perto.

– Curta a noite em Patong (faça um esquenta no Beer Paradise antes de partir pro Monsoon Bar).

 

Tailândia água

 

Ferry

 

Phi Phi – 2 noites

– A ilha é pequena, então vista seus chinelos mais confortáveis e ande por tudo.

– Se estiver em 4 pessoas ou mais, nossa sugestão é alugar um long-tail boat pra irem à Maya Bay (do filme A Praia) e arredores. Aproveite para mergulhar de snorkel!

– Encontre uma pool party!

– Vá ao Cosmic (que tem opções do café da manhã ao jantar e super indicamos!).

– Vá ao Banana Bar (bons drinks, atmosfera descontraída e ainda passa filme no telão).

Tailândia Maya Bay
Lembra do filme A Praia? Foi gravado aqui!

 

Ferry

 

Aonang – 2 noites – hotel Alisea Pool Villas (graças aos nossos besties do Love & Road, aqui ganhamos um upgrade <3 ficando em uma acomodação com piscina exclusiva, três quartos, banheira, sala, café servido no quarto, coisa fina mesmo e por apenas R$ 150/diária por casal)

– Passeie e coma no centrinho (em frente a Mesquita tem umas barraquinhas e numa delas uma papaya salad fenomenal!).

 

Van hotel + ônibus + ferry

 

Koh Phangan – 2 noites – hotel Sabai Bay

– Programe-se para pegar a Full Moon Party, pinte-se (opcional) e vá dançar na praia até o sol raiar!

 

Ferry

 

Koh Tao – 3  noites – hotel Nadapa

– Lembre-se que aqui a época de chuvas vai de Setembro a Dezembro (e como Koh Tao é uma das mais lindas pra se mergulhar, o ideal é pegar tempo bom).

– Alugue moto pra passear na ilha.

– De noite, vá ao centrinho, e se vir um grupo grande com a mesma camiseta (pub crawl), cole neles que é diversão garantida!

 

Ferry + ônibus + Voo AirAsia (ê, canseira)

 

Bangkok – 4 noites – Airbnb (existem opções incríveis, como a que ficamos, em um prédio residencial com piscina no 36º andar, mas o esquema de sublocação lá não é bem visto, então converse certinho com seu anfitrião pra não dar caô na entrada do prédio)

– O tuk-tuk até que é simpático, mas quando o negócio é economia, as melhores opções pra você andar em Bangkok são o barco pelo rio Chao Praya, o BTS (um trem suspenso) e o metrô. Táxi até que não é muito caro, mas exija o parquímetro (alguns taxistas vão tentar te passar tarifa fixa pra determinado lugar e você vai acabar pagando bem mais caro).

– Nós não fomos ao famoso Gran Palace (complexo que já foi a residência da família real tailandesa e que abriga a imagem mais sagrada e importante: o Buda de Esmeralda) por motivos de nosso dinheiro já estava acabando e custa R$ 100/casal pra entrar, mas ali perto fomos ao Wat Pho (entrada R$ 10/pessoa e ganha uma água) que é o templo do Buda reclinado.

– Existem muitas opções na Khao San Road, mas se você estiver cansado do pop repetitivo que toca na Tailândia, vá ao 9 Bar (tem dois, o melhor é o mais no final da rua), peça um bucket e ouça um eletrônico de qualidade, raridade por lá.

– Bangkok é a capital da Tailândia, portanto opções luxuosas não faltam. Na sua última noite na cidade, permita-se um agrado e vá ao rooftop do hotel SO Sofitel. As bebidas são perfeitas (em média R$ 30 o drink), a decoração coisa de outro mundo e a vista de tirar o fôlego!

Ah, do/para o aeroporto, use o trem Airport Link; depois/antes dele vai depender onde você estiver, mas metrô, uber ou táxi (lá eles usam o app GrabTaxi) devem completar o transporte.

Tailândia piscina

 

E aí, gostou das nossas dicas? Tem alguma pra compartilhar? Conta pra gente!

Ah, se você ainda não leu o relato da nossa viagem pra Tóquio, aproveita!

Até o próximo destino o/

41 comentários sobre “A Tailândia é logo ali: 20 dias no paraíso!

  1. Um pergunta, é tranquilo ir com somente parte da hospedagem já reservada e na Tailândia fazer as reservas da outra parte? Tenho uns dias em hostel e outros em couchsurfing, mas não tenho todas as estadias ainda e queria pesquisar lá na hora, assim posso ver melhor o bairro, a qualidade do local (bairro), além de poder ter mais opções de escolha visual. Isto poderia ser um problema na imigração? Grato. WS

    1. Wagner, eu diria que sim. Nós fomos com tudo reservado, como costumo fazer, porém vi que na Tailândia você pode ir tranquilamente com apenas parte do trajeto reservado. Temos uma amiga que foi pra lá uma semana após a gente, desse jeito, e não teve problema algum. Na verdade, acho até melhor: nós só pegamos chuva em Koh Tao, então se tivesse um roteiro flexível, poderia ter ficado mais tempo em um lugar, ou trocado Koh Tao por outro.

  2. Olá,

    Acabei de ler seu post, estou indo com 2 amigas para Tailandia dia 02 de março. Muito animado. Gostei muito das dicas….Vocês acreditam que 3 dias em Krabi e 5 dias em Phi Phi já são suficiente?

    1. Olá! Então, Junior, a única ilha de Krabi que fizemos foi Phi Phi mesmo; não chegamos a ir pra Krabi Town ou demais ilhas da província. Mas pelo que ouvi e vi por lá, acho que é suficiente sim. Na verdade, diria que dá pra reduzir um dia em Phi Phi pra aproveitar outro destino, mas a ilha, apesar de pequena, é uma das favoritas dos brasileiros. Então tudo depende do que estão em busca, se é badalação, Phi Phi com certeza vai ser uma boa pedida. Agora se estão em busca de outras atividades, como por exemplo mergulho, há vários outros destinos na Tailândia pra explorar. Ah, e em Phi Phi não deixem de ir no Cosmic! 😀

  3. Oi, Vanessa! Tudo bem? Confesso que li o seu post e fiquei um pouco assustado na parte do 1.000 usd por pessoa. Estou indo com a minha esposa por 20 dias para Krabi, Ko Tao, Phi Phi e Bangkok agora no dia 01/02. Estamos com tudo pago: hotéis, passagens internas e translado. E também estamos levando 1.000 euros para 18 dias que da 40 usd por pessoa por dia. Você acha pouco? Nesse teu valor você pagou as passagens internas e translados?

      1. Oi, Vicente! Essa ideia de valor incluía pagar as hospedagens e translados por lá, então pode ficar sossegado 😉 E quem sabe volte aqui depois pra contar a experiência de vocês!

  4. Olá! Eu e meu namorado estamos nos programando para ir em novembro/dezembro.
    Com relação ao ferry e ao ônibus, como vocês compraram? Internet?
    Obrigada e parabéns pelo post!

    1. Oi, Charlene! Deixamos pra comprar tudo lá (sempre no dia anterior ao que iríamos para o outro lugar/ilha), é bem tranquilo, e ainda dá a possibilidade de negociar; é comum encontrar várias barraquinhas próximas umas das outras que vendem desde apenas o transporte a passeios e pacotes mais elaborados – só prestar atenção e conversar com algumas antes de decidir pra não acabar comprando gato por lebre 😉

  5. Acabei de comprar minha passagem por 700 reais pra Tailândia!!! UM ACHADO!!! Fico de 07-28/04 por lá. E estou agora pesquisando lugares e hotéis pra ficar, adorei suas dicas, nessa época vi que estará bem quente, tem alguma outra ilha e sugestões que você indicaria pra conhecer? Obrigado e ótimo post!! Abs

    1. Neto, vimos essa promoção agora pela manhã e também avisamos o pessoal, um achado mesmo! Que bom que você conseguiu aproveitar, porque parece que já acabou. Olha, nossa seleção de locais na Tailândia foi sugerida por nossos amigos do Love & Road, que moraram cerca de 1 ano lá e já tinham boa ideia de um roteiro completo e para tirar o melhor proveito dos 20 dias que tínhamos, então é no mínimo uma base interessante pra bolar seu próprio roteiro. Não ouvi por lá, nem de outras pessoas que conversamos e também já visitaram o país sobre nenhuma ilha ou cidade bacana que tenha ficado de fora. Então boa viagem, e depois conta pra gente tua experiência! Abraço!

  6. Mto bacana o relato da viagem de vocês. Parabéns! Apenas uma dúvida: Vcs gastaram aproximadamente 1000 dólares por pessoa para pagar todas as despesas nestes 20 dias? Incluindo hotéis, refeições, passeios, etc. ?

    1. Obrigada, Guilherme! E é isso aí, essa quantia já inclui hospedagem, transportes internos, alimentação, passeios e até umas comprinhas moderadas. Só não inclui mesmo o valor das passagens aéreas para a Tailândia.

  7. Post muito bom, bem detalhado, eu e minha namorada estamos planejando uma viagem pra lá e vamos aproveitar as dicas!
    Sobre mergulhos, vocês têm alguma dica? Me refiro ao mergulho com equipamentos mesmo.

    1. Valeu, Marcelo! Com certeza não vão se arrepender! Sobre o mergulho com equipamento, acabamos não fazendo, uma porque já tivemos uma experiência em Punta Cana que não funcionou muito bem pra mim (geralmente quem tem ou teve problema respiratório e/ou no ouvido sente uma pressão insuportável), outra porque a visibilidade com o snorkel já era incrível! Mas que eu saiba Phi Phi e Koh Tao estão entre os melhores lugares na Tailândia para mergulhar, e vocês vão encontrar várias empresas vendendo pacotes (com ou sem certificado), inclusive com guias brasileiros, então dá pra pesquisar por lá e decidir o que preferem 🙂

  8. Boa tarde Carol, muito legal a viagem de vocês, dei um golpe de sorte e consegui comprar as passagens na promoção de hoje, no calor do momento e por questões de trabalho eu acabei comprando pra maio (16-29) e não tinha me atentado as monções.. como nunca havia estudado um roteiro nem nada, surtei a tarde toda aqui olhando e tudo que li manda evitar a costa oeste durante tal período, o que você acha ? devo deixar totalmente de fora Pucket e Phi Phi ? se não for pedir muito tira essa duvida com seu amigos Nat e Rob.. o trajeto de Koh Phangan para Krabi é muito complicado ? como temos 12 dias inteiros, pensei em fazer meu roteiro pra 10 dias e os dois finais decidir de lá.. olhar previsão do tempo e se não tiver chovendo embarcar pra Phi Phi..

    Desde já obrigado pela atenção e obrigado por ter compartilhado suas dicas conosco.

    Abraços,

    1. Que maravilha, Cadu! Mas ó, mesmo sendo a época de monções, uma promo dessas não tinha como perder e você tinha que respeitar seu período de férias, né? A Nat e o Rob já rodaram a Tailândia em todas as épocas do ano e disseram que dá pra tirar o melhor proveito em qualquer período. Por isso é uma boa sim você deixar seu roteiro meio em aberto (principalmente porque dá pra reservar as hospedagens e translados tudo lá) e ir seguindo conforme o clima permitir. Se tratando de 12 dias, atente pra não incluir muitos destinos, ou vai acabar não aproveitando bem nenhum. O trajeto de Koh Phangan para Krabi não é complicado não; mesmo envolvendo mais modais (como ferry e ônibus), a passagem é uma só e eles vão te guiando, não tem erro, só é meio cansativo por ser um dos trajetos entre ilhas mais longos. Qualquer outra dúvida pode mandar, viu? Abraços!

  9. Oi!! Consegui também comprar na promoção de hoje, e estou super empolgada mas preocupada…hahaha. Sabem me dizer se a Turkish Airlines é legal? Outra coisa: talvez tenha que trabalhar de lá. Internet pega legal em todas essas praias? E andar com telefone na mão lá, é tranquilo? Riscos de assalto, existem? Ou minha mente carioca se preocupa a toa? Muito legal as dicas, vou pesquisar bem direitinho! Obrigada!!

    1. Oi, Karla! Acho que o Leonardo te respondeu por Facebook, né? E é isso ali, nunca voamos com a Turkish, mas também nunca ouvimos falar mal da cia; ano passado viajamos para Japão e Tailândia com uma menos conhecida por aqui, a Etihad, e deu tudo certo. Internet pega bem nas praias, sim, Léo também precisou trabalhar. Pegue um chip da AIS (já no aeroporto), que, segundo nossos amigos, tem a melhor cobertura. E andar com telefone lá na mão é bem mais tranquilo que no Brasil, rs. Fique mais ligada com riscos de golpes (taxistas e cambistas querendo te vender passeios suspeitos), pois de assaltos, pelo que vi e ouvi, não é o caso 🙂

  10. Boa noite, Maria! Excelentes suas dicas! Parabéns! Também consegui pegar a promo de hoje e, dada a oportunidade rara, decidi encarar mesmo sendo de 8 a 18/maio! Meu voo chega dia 8/maio às 9:30 em Bangkok e a volta parte de Bangkok, às 22:40, 18/maio – portanto 10 dias inteiros.
    Estou perdido pra definir por onde começar a trip: 1) pra conhecer o básico de Bangkok devo ficar quantos dias e vc sugeriria ser logo no início ou nos últimos dias (considerando os horários do voo); 2) que praias da costa oeste incluir e quantos dias em cada (pensei em focar na costa oeste, por ser minha primeira vez na Tailândia); 3) fiquei tentado em tb conhecer a fullmoonparty que será dia 11/05 (3 dias após a chegada em Bangkok)…mas estou na dúvida sobre a viabilidade de incluir Koh Phangan (costa leste) nesse planejamento Bangkok-Costa Oeste… muito obrigado!

    1. Obrigada, Freitas! E legal que também conseguiu a promo de passagens! Olha, como você tem 10 dias, e Bangkok pede pelo menos uns 3 dias inteiros, eu diria que dá pra chegar lá e decidir se faz Bangkok primeiro ou por último, ou um pouco de começo, e um pouco depois, tudo vai depender da previsão do tempo, porque pegar as ilhas com chuva direto não vai ser muito proveitoso, sabe? Acho válido se jogar pra Koh Phangan pra pegar uma full moon party, e aproveitar pra curtir então a costa leste (Koh Tao e Koh Samui), que dizem ser lindíssima e nessa época não estará no regime de monções, em vez de perder um tempão e ficar frustrado pegando chuva do outro lado. E aí deixa a costa oeste pra próxima viagem, até porque você com certeza vai querer voltar!

  11. Bom Dia!!
    Estou indo dia 19/03 e volto dia 03/04.
    Meu roteiro esta bangkok, railay beach / koh phi hi e bangkok de novo!!
    Você acha que pego chuva nas praias???
    E estamos indo eu e meu namorado, cada um com 1000 dólares (sem contar a passagem interna e um hotel mais caro em railay).
    Você acredita que está bom?? Para fazer os passeios, trasnfers, comer e ainda pagar as outras hospedagens? (sem muito luxo…rs)

    Obrigadaaaa!!!
    E vlw pelas dicas!!! Estão demais!

    1. Oi, Marcella! Olha, pode ser que pegue algumas chuvinhas, mas o grosso mesmo parece que começa em Abril, então vai com pensamento positivo que vai dar tudo certo. E em Bangkok devem pegar tempo bom, aliás, bastante calor – aproveita pra levar umas roupas bem fresquinhas e comprar os vestidinhos lindos e baratos que eles vendem por lá 🙂 Ah, sim, essa quantia é mais que suficiente pra tudo isso; arrisco dizer que poderão esbanjar, já que são poucos destinos. Aproveitem muito, e depois conta aqui pra nós!

  12. Olá, pessoal!

    Como faço para saber em qual acomodação exatamente vocês ficaram no Airbnb? Gostei da descrição e, se fosse possível, ficaria lá! Se tivessem o link, seria ideal.

    Obrigado!

  13. Bom dia Maria,
    adorei seu relato sucinto e ao mesmo tempo detalhado! rs
    Vi você sugerindo pra deixar pra comprar passagens internas lá mesmo, mas fiquei pensando se não seria arriscado…
    Irei com marido de 03 a 20 de junho (passagem comprada na super promoção de 2 semanas atrás, rs =D).
    Pensei em não fazer outros países… preferimos focar apenas na Tailândia do que ter 300 carimbos no passaporte!
    Então, você acha mesmo viável deixar pra comprar tudo por lá?
    Pensei em reservar hotel pra uns 2/3 dias em Bangkok na chegada e daí decidir…
    Quanto aos deslocamentos de ônibus/trem, qual a distância máxima que vc recomendaria pra usá-los?

    Obrigada pela atenção!
    Beijos

    1. Oi, Anna Camila 😉 feliz que você gostou, e também que conseguiu aproveitar a promo de passagens, uhuw! Junho não é alta temporada, então é bem viável deixar pra comprar as passagens internas lá, sim; é até mais econômico e, ouso dizer, seguro também. Com certeza é uma boa reservar o hotel em Bangkok pra chegada e decidir o restante do itinerário por lá, sobretudo pela questão do clima (você deve pegar tempo bom em Koh Tao!). Sobre a distância dos deslocamentos, não tem muito segredo. As ilhas ficam pro sul e o transporte entre elas já é bem definido, só de/para Bangkok e Chiang Mai e então ilhas é que precisa pegar avião. Beijos, e façam boa viagem!

      1. Difícil vai ser convencer o marido a largar a ansiedade e deixar rolar lá! kkkkkkkkkk
        Amei a idéia do show dxs Ladyboys… Não vi ngm mais falando disso…
        Mas acredito que vamos sim!!
        Tendo outras dúvidas te grito, hein! rss

        Beijo e obrigada!

  14. Oi Maria Carolina! Tudo bem? Fui mais um que comprei passagens promocionais para junho, estamos em 4 pessoas e ficaremos 15 dias. Só que andei lendo vários blogs e estou bastante preocupado. Em um deles li que é coisa de maluco enfrentar o período de monções e que é até arriscar a vida, de tão perigoso. Então estou preocupado. O que você acha sobre isso? E outra coisa é que estou relutante em cortar Ko Phi Phi do itinerário, porque não sei quando vou poder voltar à Tailândia. É muita burrice incluir Ko Phi Phi??

    1. Oi, Henrique! Que maravilha que conseguiram a promo de passagens! Pode relaxar que não é pra tanto, inclusive dizem que em junho as chuvas dão uma diminuída. E tempo é uma coisa imprevisível, né? Já li de gente que foi a Ko Phi Phi em Junho e não choveu um dia sequer, por isso acho que devem incluir sim, mas também aproveitar as praias do golfo, que tendem a estar com clima excelente na época que estarão lá 🙂

  15. Oi Maria Carolina! Amei o seu relato sobre a Tailândia! Estou querendo ir para lá final de novembro (meu niver é 29/11 e pretendo passar lá!) e quero ficar entre 15 a 20 dias na Tailândia… pelo que andei lendo nessa época é seca em Bangkok e na costa oeste, e de chuva na costa leste. Vi que vcs foram mais ou menos na mesma época e pegaram chuva em Ko Tao… estou pensando em já montar meu roteiro (e de olho em promoções de passagens). Vc acha melhor eu me programar pra ficar mais tempo então nas praias da costa oeste? Ou arrisco e incluo a costa oeste tb?

    1. Oi, Sharlene, legal que curtiu! Olha, só ficamos em Koh Tao dois dias e até chegamos a pegar um solzinho no primeiro dia, então não foi uma perda completa. Apesar do regime de monções ter a característica da probabilidade de chuva, acaba que tempo é uma coisa muito imprevisível, por isso dá para incluir uma passagem por Koh Tao e tentar a sorte, focando mais dias nas praias da costa oeste que têm maior garantia de tempo bom e são incríveis!

  16. Boa Tarde

    Gostaria de saber se esse roteiro é indicado e legal para fazer em setembro ?

    BANGKOK, PHI PHI E PHUKET
    Pacote de 9 dias incluindo:3 noites de hospedagem com café da manhã em Bangkok, 2 em Phuket e 3 em Phi Phi,

    Obrigada

    1. Boa Tarde

      Gostaria de saber se esse roteiro é indicado e legal para fazer em setembro ?Quero pegar sol, calor, verão .

      BANGKOK, PHI PHI E PHUKET
      Pacote de 9 dias incluindo:3 noites de hospedagem com café da manhã em Bangkok, 2 em Phuket e 3 em Phi Phi,

      Obrigada

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *